areia no cabelo . relato de um náufrago . Setembro

Não quero fazer nada. Não quero viver nem um bocadinho. Vou ficar sentada no sofá a olhar para a parede branca até o mundo acabar. Não quero ver nada nem sentir nada. Sentir é um vírus que nos fragiliza e eu quero ser forte. Eu quero ser como as pedras. Quero ser uma coisa morta para que nada nem ninguém tenha grandes expectativas. Matar tudo e não deixar ficar nada. Enterrar debaixo de muita terra os sonhos, os cheiros e os amores. Não dar mais erros ortográficos, destruir todas as canetas e rasgar todos os papéis. Não ter medo de falar. Queimar o cabelo, cortar o rosto e partir os espelhos - esses monstros. Quero destruir tudo o que faz de mim um ser humano... quero apenas não ser.

1 comentário:

maria elis. disse...

eu tenho a dizer que se você conseguir fazer isso, será que pode me ensinar?!

;*